segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Lei de proteção prejudica bioma em Santa Catarina


A paisagem do planalto catarinense e do Vale do Itajaí está mudando. As regiões, que há cerca de dez anos eram repletas de bracatingas, árvore típica dos Estados do sul do país, estão sendo tomadas por plantações de espécies como o pínus e o eucalipto, que podem causar contaminação biológica.

Usada tradicionalmente como fonte de lenha na agricultura familiar -especialmente entre grupos de baixa renda - devido a sua abundância e alta capacidade de regeneração, a bracatinga (Mimosa scabrella) está sendo gradativamente substituída por espécies estranhas ao ecossistema do Estado.

Segundo Lúcia Sevegnani, professora de engenharia ambiental da Universidade Regional de Blumenau, só no planalto catarinense cerca de metade das áreas em que a árvore ocorre - a floresta de araucária ou ombrófila mista, subtipos de mata atlântica - foi tomada por espécies exóticas. Ela e outros pesquisadores afirmam que a legislação sobre o uso da bracatinga tem sido responsável por intensificar a diminuição de suas áreas de ocorrência.

Ela explica que a lei inviabiliza o uso da espécie por parte de agricultores familiares, uma vez que limita a exploração a apenas 40% das árvores presentes na área e impõe uma série de custos e burocracias. A norma à que a professora se refere é a resolução nº 310 do Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente), de julho de 2002. Leia mais!

sábado, 27 de dezembro de 2008

Feliz 2009 (Mensagem da Apremavi)


Prezado(a) amigo,

A atmosfera Natalina transforma os espíritos.
Deixa-nos mais sensíveis, alegres e sociáveis.
Um clima de Paz parece nos envolver...

Nasce a oportunidade de uma nova proposta de vida
Que requer uma resposta e um compromisso

O Sim é o compromisso de respeito e cuidado
Com a nossa Mãe Terra - Paxa Mama - Gaia

O paraíso pode ser aqui e agora
Depende do amor que dedicarmos uns aos outros,
Do cuidado que dispensarmos a toda natureza
Se nosso viver for mais CONVIVER que consumir.

Como presente de final de ano, brindamos os leitores com 12 imagens do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro. Que essas imagens sirvam para nos lembrarmos do nosso compromisso com esta importante Unidade de Conservação para Santa Catarina.

Veja as imagens no link:
Feliz Natal! Feliz 2009

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Metano sob o Ártico comecou a vazar. Isso é um perigo


Existe um fenômeno pouco divulgado, que começou a ser identificado pelos pesquisadores. Os gigantescos depósitos de metano, localizandos embaixo da camada de solo congelado (permafrost) sob o oceano Ártico, começaram a vazar. E eles podem fazer o aquecimento global mergulhar em um processo de aceleração irreversível. É o que relatam pesquisadores da Universidade do Alasca.

Um grupo coordenado pelo cientista Igor Semiletov descobriu que o metano está borbulhando no mar cada vez mais quente do Pólo Norte. O gás escapa em bolhas de buracos na camada de gelo no leito do oceano. Mais de mil medições feitas para avaliar o metano dissolvido na água na costa da Sibéria, feitas durante o verão, revelaram que os níveis do gás estão altos como nunca.

“As concentrações de metano são as mais altas já medidas no verão no Oceano Ártico”, diz Semiletov. Esse vazamento de metano é preocupante por vários motivos.

Primeiro, muitos pesquisadores temem que um grande vazamento de metano do Ártico esteve ligado às transformações climáticas que provocaram uma das maiores ondas de extinção da Terra, há 250 milhões de anos, entre os períodos Permiano e Triássico. Na ocasião, 96% das espécies marinhas desapareceram e 70% dos vertebrados terrestres também sumiram. Um vazamento como esse também é associado a um período extremamente quente há 55 milhões de anos, chamado Termal Máximo do Paleoceno-Eoceno. Foi uma onda de extinções também grande, que abriu caminho para o desenvolvimento dos mamíferos atuais.

A segunda razão para preocupação é que os depósitos de metano sob o oceano são tão grandes e esse gás tem um poder tão alto para aquecer a atmosfera. Segundo alguns pesquisadores, basta soltar uma pequena fração desses depósitos para que qualquer esforço para estabilizar as emissões em níveis não catastróficos fique impossível.

A terceira causa para preocupação é que a agência americana responsável por oceanos e atmosfera, a NOAA, revelou que os níveis de metano na atmosfera da Terra subiram acentuadamente pela primeira vez desde 1998, quando esse acompanhamento começou. Isso indicaria que o vazamento de metano provocado pelo derretimento do Ártico já estaria alterando a química da atmosfera rapidamente.

Esse metano foi gerado pela decomposição de matéria orgânica – plantas e animais – há milhões de anos, em períodos em que a Terra esteve mais quente. E esteve aprisionado sob a camada de gelo embaixo do mar durante todo esse tempo.

Semiletov mede os níveis de metano na costa da Sibéria desde 1994. Nunca havia detectado elevações nos níveis de metano na década de 90. Mas desde 2003 ele diz que vem observando pontos de concentração excessiva do gás no oceano. Segundo ele, o derretimento do permafrost submarine pode ser consequência do crescente volume de água mais quente que vem dos rios siberianos. O volume deles têm aumentado devido ao derretimento do permafrost em terra firme.

A linha vermelha do gráfico abaixo mostra como a descarga de metano do Ártico pode estar provocando uma elevação dos níveis de metano na atmosfera da Terra. A linha vermelha mostra o nível de metano na atmosfera desde 2004. Além da oscilação sazonal de cada ano, há uma clara elevação no último ano medido. (Postado no blog do Planeta)

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

CÃES E FOGOS DE ARTIFÍCIO


Comemorações com fogos de artifício são traumáticas para os animais, cuja audição é pelo menos quatro vezes mais acurada que a humana.

O pânico e desespero dos animais devido à queima de fogos resultam em:

- fugas, tornando-se animais perdidos, atropelados e que vão provocar acidentes ;
- mortes, enforcando-se na própria coleira quando não conseguem rompê-la para fugir; atirando-se de janelas; atravessando portas de vidro; batendo a cabeça contra paredes ou grades;
- graves ferimentos, quando atingido ou sem saber abocanhando um rojão achando que é algum objeto para brincar;
- traumas, com mudanças de temperamento para agressividade;
- convulsões;
- morte e alteração do ciclo reprodutor dos animais da fauna silvestre.


RECOMENDAÇÕES DURANTE FESTEJOS QUE SE UTILIZAM DE FOGOS

1. Acomode os animais dentro de casa, em lugar onde possam se sentir em segurança, com iluminação suave e se possível um radio ligado com música. Se estiverem fora de casa verifique se muros, cercas e portões encontram-se em bom estado e são suficientes para impedir a fuga do seu animal, mesmo que ele esteja apavorado.

2. Nunca deixe seu animal preso em corrente, pois na hora do pânico ele pode se machucar ou se enforcar.

3. Se você mora em apartamento, verifique se as telas de proteção das janelas estão firmes e seguras;,evite deixar as janelas escancaradas, sobretudo se você tem gatos.

4. Coloque uma coleira com plaqueta de identificação no pescoço do seu cão ou gato, importante para achá-lo no caso de fuga. A coleira do gato deve ser elástica, para que não haja risco de enforcamento ao se prender a um galho ou outro objeto. A plaqueta deve conter o número do seu telefone (residência e celular).

5. Feche portas e janelas para evitar fugas e suicídios;

6. Dê alimentos leves, pois distúrbios digestivos provocados pelo pânico podem matar (torção de estômago, por exemplo);

7. Cubra gaiolas de pássaros e cheque cercados de animais (cabras, galinhas etc.);

8. Não deixe muitos cães juntos, pois, excitados pelo barulho, brigam e se ferem gravemente.

9. Consulte o seu veterinário de confiança para saber sobre algumas medidas que podem tranqüilizar seu bichinho nessas ocasiões, como tampões de ouvido e calmantes. Mas lembre-se: nunca dê medicamentos ao seu cão ou gato sem a indicação veterinária.

EM PAÍSES DA EUROPA SÓ É PERMITIDO SOLTAR FOGOS EM ÁREA

Fonte: Tribuna Animal

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Um Natal diferente


Como acontecia todos os anos, às vésperas do Natal, os animais da fazenda ficavam aflitos esperando para ver quem seria a próxima vítima.
O pato viraria pato-no-tucupi? Ou a dona galinha, separada dos seus pintinhos, seria servida ao molho pardo? Ou o pobre carneiro se transformaria em antepasto?
Ou seria o boi que viraria filé ou medalhão ao molho madeira na ceia daquele ano?

O porco tremia todo e soluçava:
- "Buá! Não quero virar presunto, salsicha, pernil, torresminho, e nem bacon!"
E o peru, coitado, era quase certo que se elegeria o prato principal, no centro da mesa, com a barriga recheada de farofa. Era o que mais tinha medo nesses dias, e choramingava como um bebê, sem se conformar com a triste sorte.
- "Por que os humanos comemoram o Natal desse jeito? Somos inofensivos, não fazemos mal a ninguém. Só queremos viver!

O Menino da manjedoura, o aniversariante desse dia, certamente não gostaria de ser festejado com mortes, já que aniversário é uma celebração da Vida."
Sossegados mesmo, só estavam o cão, o gato, e o papagaio da fazenda. Com eles a coisa era diferente. Tinham lugar para dormir, comida gostosa e carinho. Não precisavam ter pesadelos com a cozinheira e suas horríveis panelas.
- "Isso é discriminação!", coaxou o sapo na lagoa. "Para uns carinho e para outros a panela? Protestemos! Vamos ver o que dizem as leis dos direitos dos animais!"
- "Eu também gosto de carinho", disse lacrimejando o carneirinho. "Por que ninguém me faz um afago?"

Todos os animais estavam unidos nessa hora tentando entender o comportamento dos humanos. A lei dos direitos dos animais valia só para os animais de estimação. Que pena...

Mas naquele ano, tudo seria diferente!!!
Eles nem imaginavam que Matheus, um menino vegetariano de 11 anos, vinha passar o Natal na fazenda e mudaria para sempre aquela tradição medonha.
Matheus era um garoto muito esperto, inteligente e de bondoso coração. Tinha um cachorro e vários gatos. Amava todos os bichos e não se conformava com o fato de as pessoas dizerem amar os animais, mas devoravam seus corpinhos nas refeições.
Não querendo mais compartilhar desse ritual horroroso, resolveu se alimentar apenas de frutas, legumes, verduras e grãos. Havia tanta fartura de alimentos nesse mundo! Não achava necessário aquela matança inútil. Era só uma tradição boba que podia ser mudada.

Assim que chegou na fazenda, contou aos primos do sofrimento dos bichinhos até chegar à mesa sob a forma de comida. Falou da indústria da carne, uma das mais cruéis, da aflição que os animais sentiam ao subir os degraus do matadouro, e do triste fim que era dado a eles.

Todos se surpreenderam com tudo o que Matheus contou e derramaram lágrimas com ele. Nunca haviam pensado nisso, e agora alguém os alertava para a injustiça dessa tradição milenar, que era passada de geração em geração.

Resolveram que naquele ano o Natal seria diferente.
Comunicaram aos pais, tios, primos, avós e amigos, que eles mesmos iriam preparar a ceia e que todos aguardassem a grande surpresa.
Cochichos de lá, segredos de cá, e a véspera de Natal estava chegando.
Enquanto isso, os animaizinhos, em polvorosa, estavam com muito medo do destino que os aguardava.

Mas qual não foi a alegria deles quando as crianças contaram o grande segredo!
Todo mundo sabe que crianças e animais conseguem se comunicar, mas muitos adultos não compreendem e por isso ignoram.

O Natal daquela família se transformou no melhor Natal de suas vidas.
Todo mundo reunido em volta de uma mesa colorida, de pratos leves, saudáveis, e o melhor de tudo: sem mortes!!! Aquilo sim era um Natal de Paz e de Amor!
Mariana preparou uma bela macarronada com suculento molho de tomates.
Edu fez várias pizzas vegetarianas de dar água na boca.

Clara sabia fazer saladas e molhos muito bem. E a Talita preparou o que mais gostava: batatas fritas pra todo mundo!

Sem contar que Mikaela trouxe salgadinhos de soja pra ninguém botar defeito. Uma delícia!!! Quibes, coxinhas, esfirras, empadinhas, tudo a base de vegetais!
E as sobremesas? Pavês, compotas de frutas, pudins, sorvetes e um pratão de brigadeiros para completar.

Só sei que a ceia ficou deliciosa, e todos se deliciaram com as gostosuras. E certamente o Menino Jesus abençoou aquela família e os animaizinhos tiveram pela primeira vez, em séculos, um Natal de PAZ! Céu e terra estavam em comunhão porque havia harmonia entre todas as criaturas que dividiam um lugarzinho na Terra.

Era o início de uma nova Era de PAZ, AMOR e FRATERNIDADE.

Feliz NATAL VEGETARIANO para todos vocês!!!

Autora: Ivana Maria França de Negri

Neste Natal, priorize o que realmente interessa e reduza impactos negativos sobre o meio ambiente

No final de 2005, AmbienteBrasil publicou a matéria EXCLUSIVO: Como a consciência ambiental pode proporcionar um Natal Ecológico, com dicas para uma celebração que, de fato, priorize seu sentido voltado à harmonia e a paz – e menos ao consumo desenfreado.

Este ano, o portal colheu algumas sugestões que reafirmam a caminhada nessa direção. Confira.

* Passe algumas das horas que você gastaria nas compras visitando as pessoas queridas, a quem você viu pouco durante o ano;

* Planeje os gastos, estipule um limite de despesas e não saia dele. Se comprar a crédito, preste atenção nos juros e avalie se as prestações cabem no orçamento;

* Use a imaginação e dê presentes alternativos, reciclados, produzidos artesanalmente, de pouco impacto ambiental, e feitos para durar;

* Escolha presentes que sejam mais simbólicos do que materiais: um texto escrito por você ou do qual você gosta; uma canção que marcou sua vida neste ano que se encerra; uma entrada para visitar uma exposição em um museu; um roteiro de visita ao que você gosta na cidade;

* Reflita bem antes de comprar e avalie se o presente é realmente do gosto de quem você está presenteando; o presente terá um significado especial para a pessoa presenteada, que vai reconhecer que o presente não é um “genérico”, mas voltado a ela em um gesto de real amizade e carinho;

* Doe o que você não usa, proporcionando um Natal melhor a quem precisa;

* Diminua a utilização de embalagens, preferindo as que possam ser reutilizadas;

* Recicle e dê cara nova a tudo o que for possível;

* Prefira uma árvore de Natal plantada, que você possa usar no próximo ano (sobre este tema, confira o artigo Paradigmas insustentáveis e a árvore de Natal natural, de Luciano Pizzatto);

* Use luzes de baixo consumo;

* Guarde os enfeites para decorar no próximo ano;

* Não compre produtos pirateados ou contrabandeados e mostre que você compreende o papel dos pequenos gestos na construção da ética da sociedade;

* Opte por comprar produtos de empresas mais social e ambientalmente mais responsáveis;

* Compre só o necessário para a ceia de Natal e de final de ano e evite o consumo exagerado de alimentos e bebidas; sempre que possível, escolha alimentos orgânicos e de produção local.

Mônica Pinto / AmbienteBrasil

(Fonte: Instituto Akatu pelo Consumo Consciente)

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Abaixo-assinado pela preservação do PARQUE DO TABULEIRO


ABAIXO-ASSINADO contra o PROJETO DE LEI Nº. 347.3/08, que reavalia e define os atuais limites do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro e institui o Mosaico de Unidades de Conservação da Serra do Tabuleiro e Terras de Massiambu.

Basta seu nome e CPF (OBRIGATÓRIO)!

Leia o documento, vá até o final da página e clique em "ASSINAR"

ASSINE E DIVULGUE: FAÇA A SUA PARTE!

http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/3184

Abaixo-assinado

Este Projeto de Lei proposto pelo governador do Estado de Santa Catarina, pretende promover a desanexação da planície costeira do Parque - que é de proteção integral - e transformar em Área de Proteção Ambiental (APA): unidade de conservação de uso sustentável que permite a ocupação humana em áreas hoje inabitadas, cobertas por uma vegetação de restinga considerada a mais exuberante do sul do Brasil, e local estratégico para manutenção de inúmeras espécies vegetais e animais ameaçados de extinção pela redução das áreas naturais costeiras no Estado de Santa Catarina.

Além disso, a Baixada do Massiambu (localizada no município de Palhoça) é considerada um Monumento Geológico, de reconhecimento internacional, por apresentar antigas praias (cordões arenosos), que foram formadas pelo avanço e recuo do mar há pelo menos oito mil anos.

Considerando que esse projeto de lei irá de encontro à proteção efetiva de áreas do Parque de grande relevância, que permitirá o estabelecimento de empreendimentos motivados pela especulação imobiliária e expansão urbana sobre áreas de extrema importância biológica, nós, abaixo-assinado, somos contra a aprovação do projeto de lei supra citado! E pedimos sua anulação.

Maiores informações:

QUALQUER DÚVIDA ENTRE EM CONTATO!

-Blog Ecoflora ( www.ecoflora.blogspot.com )
-Celular: 48-91533112 (Flora)
-Celular: 48-84081310 (Halis)

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Obama inicia cruzada contra aquecimento global


Neste sábado (20/12), ao nomear um dos maiores peritos do mundo no assunto como consultor científico de sua administração, o presidente eleito dos EUA estabeleceu o marco inicial do que parece ser uma verdadeira revolução na postura do país ante as alterações climáticas.

O físico de Harvard John Holdren comandará a divisão para políticas de ciência e tecnologia dos EUA. Sua nomeação foi saudada por cientistas de todo o mundo, e interpretada como um sinal de que a disposição de Obama para enfrentar as alterações climáticas é real.

Além de Holdren, Obama nomeou a respeitada climatologista Jane Lubchenco para dirigir a Administração Federal Oceânica e Atmosférica. O presidente eleito dos EUA já havia escolhido o prêmio Nobel Steven Chu para o Departamento de Energia. (Fonte: ON)

domingo, 21 de dezembro de 2008

PM inaugura base sustentável em Garopaba (SC)


A Polícia Militar (PM) inaugurou na sexta-feira em Garopaba, no Litoral Sul, a primeira base operacional sustentável do país.

O prédio foi construído com materiais de baixo impacto ambiental e utiliza técnicas para reduzir o uso dos recursos naturais.

Entre os destaques estão o sistema de captação da água da chuva, que é reaproveitada no banheiro do local, e a cobertura de terra sobre parte do telhado, que contribui para a manutenção da temperatura no interior da base.

Ao todo 14 policiais militares vão atuar no local durante a Operação Veraneio, no verão catarinense.

A obra foi patrocinada pelo Grupo Gerdau. (Fonte: DC)

sábado, 20 de dezembro de 2008

Ativistas protestam contra o uso de pele de animais em Seul


Manifestantes usaram máscaras e pintaram frases na pele.
Protesto ocorreu em frente a loja de departamentos.


Ativistas pelos direitos dos animais protestaram neste sábado (20) em frente a uma loja de departamentos em Seul. Com máscaras e frases pintadas na pele, eles protestaram contra o uso de pele de animais. (Fonte: G1)

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Movimento mundial de combate ao aquecimento global


Movimento mundial de combate ao aquecimento global, a Hora do Planeta acontecerá pela primeira vez no Brasil. O WWF-Brasil convida toda a população a apagar as luzes em 28 de março de 2009 por uma hora - entre 20h30 e 21h30.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Mancha laranja aparece no mar e assusta banhistas no RS


Ambientalistas vão coletar amostras da água para análise.
PM sobrevoou região para monitorar o deslocamento da mancha.


Uma mancha no mar chamou a atenção no litoral norte do Rio Grande do Sul, nesta quarta-feira (17). A mancha apresenta uma cor alaranjada e está espalhada em uma faixa do mar, que fica a pouco mais de trezentos metros da beira da praia. A Polícia Militar sobrevoou a região para monitorar o deslocamento da mancha. Ambientalistas ainda não sabem dizer qual é a natureza do fenômeno e vão coletar amostras da água para análise.

(Fonte: G1)

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Obama coloca meio ambiente no topo da agenda norte-americana


O presidente eleito dos EUA defendeu estímulos "verdes" à economia dos EUA e nomeou o Nobel de Física Steve Chu como secretário de Energia. Tudo indica que o meio ambiente será a questão-chave que definirá a sua presidência.

Barack Obama aproveitou o anúncio em Chicago de sua equipe encarregada das políticas ambientais para reafirmar seu compromisso em prol da reforma energética, colocando o tema no centro do seu plano econômico. O presidente eleito dos EUA fez a ruptura mais decisiva com os últimos oito anos da administração de George Bush.

Assim como a indicação do novo secretário de Energia, a nomeação de Carol Browner -- ex-chefe da Agência de Proteção Ambiental do governo Bill Clinton -- como representante especial para energia e mudança climática dos EUA também foi bem recebida por ambientalistas. (Fonte: ON)

Regiões polares perdem 2 trilhões de toneladas de gelo em cinco anos


Mais de 2 trilhões de toneladas de gelo terrestre na Groenlândia, na Antártida e no Alasca derreteram desde 2003, de acordo com novos dados de satélite da Nasa que mostram os mais recentes sinais do que os cientistas dizem ser a ação do aquecimento global. Mais da metade da perda ocorreu na Groenlândia, a julgar por dados obtidos pelo satélite Grace, afirma o geofísico Scott Luthcke, da Nasa.

Os pesquisadores devem apresentar os dados nesta semana, durante o encontro da União Geofísica Americana em San Francisco. De acordo com Luthcke, os números do verão de 2008 na Groenlândia ainda não estão fechados, mas, embora significativos, não devem ser tão severos quanto os de 2007. No Alasca, a situação é melhor: após uma grande queda em 2005, o gelo terrestre aumentou um pouco neste ano, graças a grandes nevascas de inverno.

O derretimento do gelo terrestre aumenta os níveis do mar mundo afora. Nos anos 1990, a Groenlândia não contribuiu para o aumento do nível dos oceanos; agora, contudo, a ilha está acrescentando cerca de meio milímetro ao nível dos mares por ano, afirmou Jay Swally, glaciologista da Nasa. No total, diz Luthcke, a contribuição do derretimento da Groenlândia, da Antártida e do Alasca nos últimos cinco anos aumentou em cerca de 1,5 cm o nível dos oceanos no mundo. A subida global dos oceanos, contudo, é maior, porque o aquecimento da água também a faz expandir.

A tendência do derretimento continua forte. "A coisa não está melhorando; continuamos a ver sinais fortes de aquecimento e amplificação. Não há uma tendência reversiva", diz Zwally. No caso do gelo marinho, a situação parece se retroalimentar. Conforme esse gelo derrete, as águas do Ártico absorvem mais calor no verão, pois perdem a capacidade de refletir a luz do Sol trazida pelas grandes camadas de gelo. Passam, então, a absorver calor, que é liberado no ar durante o outono. Com isso, essa estação do ano está muito mais do quente do que era nos anos 1980, por exemplo. (Fonte: G1)

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Mais de 75% da população de peixes está ameaçada, alerta WWF


Mais de 75% da população de peixes do mundo está ameaçada devido à pesca predatória, segundo um estudo apresentado na segunda-feira (15) em Hamburgo pelo Fundo Mundial para a Natureza (WWF, em inglês). Uma das espécies mais ameaçadas é a Sebastes marinus, ou cantarilho, pelo que o WWF recomenda aos consumidores não incluir o peixe em seu menu.

A captura desses peixes tem também um efeito colateral especificamente ruim: a destruição de corais de água fria milenares.

A organização ambientalista exige, por esse motivo, a proibição absoluta de toda pesca em águas profundas e pede aos consumidores a comprar só peixe com o selo ecológico Marine Stewardship Council (MSC). O WWF também desaconselha comprar camarões de peixarias procedentes do litoral tropical da América do Sul, pois para construir esses criadouros muitos mangues são destruídos.

Além disso, para cada camarão destinado à criação na feitoria, 100 peixes morrem nas redes. (Fonte: G1)

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Remédios jogados no lixo podem contaminar águas de torneira


O Brasil enfrenta um problema sanitário que parece estar longe de ser resolvido. Os medicamentos vendidos nas farmácias, em caixa lacrada, vêm geralmente em quantidade superior ao indicado para o tratamento, o que leva o paciente a acumular uma “farmacinha” em casa.

Porém, os produtos logo perdem a validade, e são descartados na pia, no vaso sanitário e no lixo orgânico. Quase ninguém sabe que ao serem despejados ralo a baixo, os remédios vão parar nos sistemas de tratamento de esgoto doméstico.

Lá, as substâncias que compõem o medicamento podem interagir e matar as bactérias usadas para tratar o esgoto. Ou seja, a água que chega até nós pode conter fragmentos dos remédios, e apresentar qualidade duvidosa.

Esse problema é um consenso entre a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) e o Conselho Federal de Farmácias (CFF).

Porém, até o momento não existe uma legislação que regulamente o descarte de resíduos doméstico, e a privada continua sendo a lixeira dos produtos.

– A Anvisa instrui as pessoas a descartarem o material em vasos sanitários, mas não concordo. As substâncias dos remédios vão parar nas águas dos rios que acabam sendo mananciais de água potável. Como nosso sistema de saneamento não é 100% eficiente, esses medicamentos acabam sendo distribuídos nas águas e as pessoas ficam, cronicamente, expostas a substâncias como, por exemplo, antibióticos e hormônios – afirma Wilson Jardim, professor do Instituto de Química da Unicamp.

Calcula-se que 20% dos medicamentos adquiridos são descartados de alguma forma no meio doméstico, informa Antonio Barbosa, coordenador nacional do Instituto Brasileiro de Defesa dos Usuários de Medicamentos (Idum).

– O descarte de medicamentos é uma das maiores causas de envenenamento e intoxicação em comparação ao contato com produtos químicos – alertou Barbosa.

No entanto, as normas existentes que legislam sobre resíduos se limitam aos dos serviços de saúde – como hospitais e farmácias – que têm a incineração como destino.

– Embora a Anvisa esteja ciente dos riscos do descarte doméstico, não existe uma lei que discorra sobre o assunto. É competência da Anvisa cuidar dos resíduos gerados nos serviços de saúde – justifica Luiz Carlos da Fonseca, técnico da agência.

Segundo Fonseca, estima-se que 1% dos lixos sólidos sejam resíduos dos serviços de hospital, sendo 3% desses medicamentos. De acordo com a Anvisa, fica a cargo de cada Estado desenvolver sua própria legislação sobre lixo doméstico.

O Conama também não dispõe de norma que regulamente o lixo doméstico.

– Nós do Ibama executamos o que o Conama manda. Por mais que haja o impacto ambiental, ainda não houve uma preocupação em termos legislativos. Esperamos uma manifestação da sociedade ou do Conama para agirmos – explica Reinaldo Vasconcelos, coordenador geral de Substâncias Químicas do Ibama. (JB online)

Leia mais!

domingo, 14 de dezembro de 2008

Embrapa desenvolve motor movido a lixo e sobras da agricultura


Neste ano, quase 4,2 mil pessoas foram vítimas de picadas de aranha-marrom em Curitiba (PR). Por causa deste dado alarmante, um grupo de pesquisadores de quatro países estudou os hábitos do aracnídeo numa casa-laboratório. Os resultados da pesquisa foram anunciados nesta terça-feira (9).

Em uma casa-laboratório, os cientistas testaram diversos métodos de combate à aranha-marrom: repelentes, jatos de ar quente e até predadores naturais, no caso a lagartixa. Além do predador natural, quatro venenos utilizados por companhias de dedetização mostraram-se eficazes, porém os pesquisadores não quiseram divulgar ainda quais são eles.

As receitas caseiras (querosene, óleos naturais e extrato de pimenta), segundo os pesquisadores, mostraram-se ineficazes. “Nenhum produto de conhecimento popular funcionou. Em alguns deles a aranha passeava por cima ou dormia do lado”, contou o biólogo Emanuel Marques à reportagem da RPC-TV.

Para os pesquisadores, não existem fórmulas mágicas para combater a aranha-marrom e medidas simples podem diminuir a presença delas nas residências. “Um aspirador de pó, a limpeza de cada dia atrás dos móveis e quadros, e combate dentro e fora de casa, em ação junto com os vizinhos”, foram apontados ao Paraná TV pelo técnico do do Centro de Produção e Pesquisa de Imunobiológicos (CPPI) João Minoso como estratégias eficazes.

O diretor do CPPI, Rubens Gusso, explicou durante a apresentação do Projeto Pronex – Monitoramento e Controle Populacional da Aranha-Marrom - que o Paraná é um reduto de produção de soro e tecnologia. “O melhor disso tudo é a prevenção. É saber quais são os hábitos da aranha e os cuidados que devemos ter dentro de casa, para não sermos surpreendidos por um problema que é tão pequeno, mas que pode gerar um problema de saúde bastante grave”, ressaltou o secretário da Saúde, Gilberto Martin, à Agência Estadual de Notícias (AEN).

A pesquisa iniciou em 2004, quando o Estado registrava a maior parte dos acidentes com aranha-marrom no país. No Brasil, em 2004, foram oito mil casos, enquanto que no Paraná o número foi superior a seis mil ocorrências. Acidentes com animais peçonhentos são considerados o segundo agravo (emergência) de notificação no Paraná. Durante 2007, no Estado, ocorreram mais de seis mil acidentes com aranha-marrom. Destes, 73,9% foram na região metropolitana de Curitiba.

Segundo a agência, o vice-coordenador do projeto, Francisco de Assis Marques, explicou que cerca de quatro mil aranhas-marrons (adultas) foram recolhidas, mantidas e alimentas em criadouros no CPPI. (Fonte: Gazeta do Povo/PR)

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Brasil fica em 8º lugar em índice de mudança climática


O Brasil ficou em oitavo lugar no "Índice de Desempenho em Mudanças Climáticas" - um levantamento realizado por organizações ambientais e divulgado nesta quarta-feira (10) em Poznan, na Polônia, durante a reunião da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o tema.

Para destacar a falta de ações "fortes" contra a redução de emissões de gases que provocam o efeito estufa, os autores da pesquisa - a ONG Germanwatch e a Rede de Ação Climática (CAN, na sigla em inglês) - deixaram os três primeiros lugares vazios. A lista começa na quarta colocação, com a Suécia.

"As emissões totais de todos os países cresceram mais rapidamente do que nunca", justificou Jan Burck, um dos autores do estudo da Germanwatch.

Em quinto lugar, ficou a Alemanha, seguida por França, Índia, Brasil, Grã-Bretanha e Dinamarca. Os últimos dez colocados são Grécia, Malásia, Chipre, Rússia, Austrália, Cazaquistão, Luxemburgo, Estados Unidos e, finalmente, Arábia Saudita.

Guinada alemã - O índice comparou 12 indicadores de 57 países para avaliar o nível de emissões, a tendência e a política para o clima de cada país. Entretanto, ele não levou em consideração as emissões provocadas pelo desmatamento e pelo uso da terra.

Somadas, as emissões dos países incluídos no Índice de Desempenho em Mudanças Climáticas representam 90% da produção de gás carbônico no planeta.

"Nenhum único país pode ser julgado satisfatoriamente no que diz respeito à proteção do clima", esclareceu Burck, destacando que a recente mudança de direção na política ambiental alemã não pôde ser incluída a tempo.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, que até a reunião da ONU em Bali, no ano passado, era vista como uma das principais defensoras de metas de redução ambiciosas, vem afirmando que o combate à crise econômica mundial pode levar o país a rever suas posições.

Organizações ambientais aguardam a conclusão do encontro em Poznan na sexta-feira para verificar os impactos da crise econômica mundial nas negociações sobre o clima.

No ano passado, os três primeiros lugares na lista ficaram com Suécia, Alemanha e Islândia. Na lanterninha, ficaram Austrália, Estados Unidos e Arábia Saudita. (Fonte: G1)

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Europa apóia plano brasileiro de fundo ambiental global

Uma reportagem do Estadão diz que o governo brasileiro obteve uma vitória, ainda que em tese, nas negociações da 14ª Conferência do Clima das Nações Unidas (COP 14), na Polônia. Nossa proposta de criar um fundo global para financiar projetos públicos e privados contra o corte de matas nativas ganhou o apoio dos 27 países da União Européia. De início, o bloco defendia o financiamento apenas pela compensação do mercado de créditos de carbono, mas foi convencido de que deve haver a participação direta da iniciativa privada nos projetos, pois senão não haverá dinheiro suficiente para manter as florestas de pé. O problema é vencer a resistência dos Estados Unidos, que preferem o mercado de carbono.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

SOS ANIMAIS é Apelo


Muitos dos desabrigados possuíam animais de estimação, e também eles, fiéis companheiros das nossas jornadas, precisam de alimentos e remédios, para não se tornarem transmissores de zoonoses, deixando o meio ambiente da tragédia ainda mais comprometido. Inúmeros cães foram encontrados mortos, presos a coleiras nos pátios de suas casas, e gatos ficaram nos apartamentos sem que os donos pudessem salvá-los. Os animais não têm como pedir socorro e não conseguem se ajudar sozinhos. Segundo a ONG Viva Bicho, cães e gatos sobreviventes vagam pelas ruas à procura de suas famílias e de alimentação. Outros estão ilhados, com medo e frio, à espera de ajuda. Não há ração disponível para compra na cidade, precisando ser enviada de outros lugares. Qualquer doação reverterá na ajuda imediata para resgate e tratamento dos animais.

Tels.: (47) 8425-1459 / 9903-5441 – Bianca (ONG Viva Bicho)

“Os animais são anjos que vieram à terra para ensinar ao homem o que é fidelidade”.
Artur da Távola.

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Ativistas brasileiros se juntam ao mundo em defesa das baleias


Na semana de aniversário dos direitos humanos, os escritórios do Greenpeace organizam manifestações em defesa de dois ativistas japoneses. Eles podem ser condenados a 30 anos de prisão por comprovarem que a caça ilegal de baleias continua. E o Brasil não ficou para trás! Para demonstrar nosso apoio aos ativistas, o diretor executivo do Greenpeace Brasil foi ao Japão, enquanto aqui organizamos uma atividade no vão livre do MASP, em São Paulo. Para ler mais detalhes, clique aqui .

domingo, 7 de dezembro de 2008

Manifestantes entram em jaula durante ato na Avenida Paulista


Um grupo de manifestantes se pintou de bicho e entrou em uma jaula na Avenida Paulista neste domingo (7) para pedir o respeito ao direito dos animais. O tema do ato foi "Lugar de animal não é no circo!" e ocorreu neste fim de semana por causa do Dia Internacional dos Direitos dos Animais, comemorado oficialmente no dia 10 de dezembro (Foto: Tiago Queiroz/Agência Estado).

sábado, 6 de dezembro de 2008

Neste domingo, tem passeata pelos Direitos Animais em SP


Neste domingo, ao meio-dia, toda a população está sendo convidada a participar de uma passeata que percorrerá a Avenida Paulista. O ato marca mais um Dia Internacional dos Direitos Animais e, este ano, chama atenção para o tema “lugar de animal não é no circo!”.

Pelo terceiro ano seguido, quem organiza o evento são os grupos Holocausto Animal e VEDDAS – dois fortes militantes na defesa dos direitos animais. A passeata brasileira abre as celebrações mundiais dessa data - oficialmente dia 10 de dezembro (quarta-feira).

“Antecipamos o evento para estimular maior número de participantes, já que a passeata e o apoio à causa animal não vão entrar em conflito com os compromissos profissionais da maioria”, diz Fabio Paiva, do Holocausto Animal.

O manifesto tem apoio de uma marca de cosméticos que não testa seus produtos em animais – a Surya - e da Associação Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos, que atua com animais que já trabalharam em circos. Vai expor uma autêntica carreta circense, só que, no lugar dos animais, “pessoas enjauladas representam a crueldade a que os bichos são expostos”, conforme Paiva.

Empresas e Mudanças Climáticas

A revista Época criou o Prêmio Época Mudanças Climáticas. Vinte empresas serão homenageadas como Empresa Líder em Políticas Climáticas em coquetel, na sede da Editora Globo em São Paulo (SP), nesta segunda-feira às 19h30. Além da homenagem, duas empresas serão premiadas durante o evento - a que tem o melhor inventário de emissões como a Melhor Gestão e a que possui o melhor plano de redução nas emissões como Melhor Estratégia.

O objetivo da ação é revelar quais são as empresas do Brasil já têm alguma política para a questão das mudanças climáticas e destacá-las como as líderes neste posicionamento no País. Diversas foram convidadas a responder um questionário on-line sobre sua posição em relação às mudanças climáticas e também para contarem como fazem o inventário de emissões de gases de efeito estufa - seguindo a metodologia internacional GHG Protocol - e se têm metas de redução dessas emissões.

Elba e a Água

O projeto "Água: Fonte de alimento e renda - Alternativa sustentável para o semi-árido" vai ganhar uma madrinha ilustre. A cantora Elba Ramalho grava nesta sexta-feira um vídeo institucional, formalizando a cessão de sua imagem para a divulgação das atividades, que envolvem cerca de 80 famílias da comunidade de Uruçu, no Município de São João do Cariri (PB).

Patrocinado pela Petrobras desde 2006, o projeto consiste na aplicação de técnicas de dessalinização de águas salobras e salinas do subsolo para gerar água potável. O rejeito dessa dessalinização, por sua vez, é utilizado na criação de tilápias, na produção de alimentos hidropônicos e no cultivo da microalga Spirulina, base para a fabricação de medicamentos.

Ambiente Brasil.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Táxi solar percorre 38 países protestando contra aquecimento global


O Solartaxi, o primeiro veículo solar que viajou ao redor do mundo, chegou nesta quinta em Poznan, na Polônia, onde ocorre a conferência das Nações Unidas (ONU) sobre a Mudança Climática. O táxi solar percorreu 52 mil quilômetros e 38 países como forma de luta contra o aquecimento global.

Seu criador, o professor suíço Louis Palmer, começou sua odisséia em Lucerna, em seu país, em julho de 2007, e desde então conduziu durante mais de um ano este carro movido unicamente por energia solar. Neste peculiar táxi, que não usa nem uma gota de combustível, viajaram importantes personalidades, entre elas o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

Como explicou o próprio Palmer em numerosas ocasiões, o Solartaxi pretende conscientizar as pessoas e os governos do problema da mudança climática e as distintas opções que há para combatê-lo.

– Que estão nas mãos de todos nós, cada um pondo seu grão de areia – afirmou.

A iniciativa, segundo o inventor deveria reavivar a esperança e o entusiasmo pela vida, ser um exemplo para resistir à resignação e promover a reflexão sobre o futuro de nosso planeta.

AGÊNCIA EFE

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Geólogos monitoram movimentação geológica em Florianópolis (SC)



Nesta terça-feira, cerca de 40 moradores do Pântano do Sul deixaram suas casas devido ao risco de deslizamento

Geólogos da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) monitoram, desde terça-feira, a situação do terreno que apresenta rachaduras do Morro da Costa de Cima, no Pântano do Sul, em Florianópolis. Nesta terça-feira, depois que eles emitiram laudo apontando risco de deslizamento, cerca de 40 moradores de residências que ficam abaixo do terreno precisaram deixar suas casas.

No acesso ao morro, a Defesa Civil do município colocou uma faixa amarela interditando o local. Por enquanto, mesmo que faça sol, as famílias não podem voltar para suas casas.

Segundo Luiz Eduardo Machado, subcoordenador da Defesa Civil de Florianópolis, há fendas no morro que indicam uma possibilidade de desmoronamento duas vezes maior do que o que ocorreu na SC-401.

Segundo o proprietário do terreno, Rafael Martins, a rachadura começou a aparecer no domingo, dia 23, quando a cidade foi atingido por temporais. No dia seguinte, técnicos da Defesa Civil foram ao local analisar a situação. Nesta terça-feira, os moradores aceitaram deixar a localidade depois de uma reunião com funcionários da Defesa Civil, prefeitura e geólogos da Udesc.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil do município, Charles Schnorr, o monitoramento dos geólogos deverá apontar se a situação pode piorar ou se podem ser tomadas medidas paliativas para dar segurança ao local. Enquanto isso, as famílias devem ficar nas casas de parentes e amigos.

Alguns moradores contestam o laudo da Udesc. Segundo o coordenador da Defesa Civil, eles receberam prazo de cinco dias úteis para encontrar um geólogo que conteste o laudo.

Link da matéria: http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/jsp/default.jsp?uf=2&local=18§ion=Geral&newsID=a2317356.xml

Ministra do Meio Ambiente da Argentina renuncia

A ministra do Meio Ambiente da Argentina, Romina Picolotti, renunciou na terça-feira (2) ao cargo. Sua gestão de dois anos e meio à frente da pasta foi marcada pela instabilidade, quando a também ativista ambiental enfureceu empresários ao combater a poluição. Para outros, Romina não conseguiu fazer o suficiente para resolver os problemas ambientais do país. Ela estava no cargo desde 2006, ainda no governo de Néstor Kirchner, marido da atual presidente, Cristina Kirchner.

O substituto da ministra será Homero Máximo Bibiloni, atualmente assessor jurídico da cidade de La Plata. Bibiloni tem forte relação com o governista Partido Justicialista (Peronista) e foi subsecretário do departamento de recursos naturais do Ministério do Meio Ambiente entre 2004 e 2006.

Romina foi forçada a renunciar após não apoiar o veto de Cristina Kirchner, no mês passado, a uma lei que buscava proteger as geleiras do país, segundo a imprensa argentina. A lei proibia atividades que pudessem afetar as geleiras e foi revogada graças a preocupações com as "repercussões negativas no desenvolvimento econômico", segundo a presidente.

A ambientalista ganhou espaço ao tornar-se uma das líderes na campanha para evitar a construção de duas grandes indústrias papeleiras no Uruguai, perto do rio que separa os dois países, no episódio conhecido como a Guerra das Papeleiras. Em 2006, Romina ganhou o conceituado Prêmio Sophie pelo seu ativismo.

Rio Riachuelo - No cargo, a ministra foi alvo de críticas por fechar várias plantas fabris, devido a violações ambientais. Ela também foi atacada por não despoluir o Rio Riachuelo, no sul de Buenos Aires. Neste ano, a Suprema Corte condenou a atuação do Ministério do Meio Ambiente no caso e estabeleceu um cronograma para a limpeza do rio, um problema que há décadas desafia várias administrações.

A corte ameaçou punir Romina pessoalmente com multas, por não conseguir cumprir os prazos determinados dela decisão judicial. Ela ainda é alvo de uma investigação judicial por malversação de fundos do Ministério do Meio Ambiente. As informações são da Dow Jones. (Fonte: Estadão Online)

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Hoje é o Dia Internacional pelo NÃO USO DE AGROTÓXICOS


Esta quarta-feira, 3 de dezembro, é o Dia Internacional pelo Não Uso de Agrotóxicos”, com o tema “trabalho saudável no campo e comida saudável na cidade”.

A data foi escolhida por lembrar a morte de milhares de pessoas em uma catástrofe no Bhopal, na India, onde, em 1984, 27 mil toneladas de gás tóxico escaparam de uma fábrica da norte-americana Union Carbide, no que é tido como o maior desastre químico da história.

Nunca é demais lembrar que esses produtos altamente letais são a base dos agrotóxicos que, como se sabe, prosseguem em níveis inaceitáveis nos hortifruti brasileiros, conforme estudos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) – leia mais na Ecoluna – A farra dos agrotóxicos liberada no Brasil.

Ambiente Brasil.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Uma reflexão sobre as enchentes e os deslizamentos


As imagens de morro caindo, de desespero e morte, de casas, animais e automóveis sendo tragados por lama e água, vivenciado por milhares de pessoas no Vale do Itajaí e Litoral Norte Catarinense nos últimos dias, são distintas, e muito mais graves do que as experiências que tivemos em 1983 e 1984.

Por que tudo aconteceu de forma tão diferente e trágica? Será que a culpa foi só da chuva? Nossa intenção não é apontar culpados, mas mencionar fatos para reflexão, para tentar encaminhar soluções mais coerentes e duradouras, e evitar maiores problemas futuros.

Veja a matéria completa no link: Uma reflexão sobre a Tragédia em Santa Catarina

domingo, 30 de novembro de 2008

Deslizamentos em Blumenau (SC)



O diretor da Defesa Civil de Santa Catarina, major Márcio Luiz Alves, alerta que há risco de novos deslizamentos em Santa Catarina devido à chuva que voltou a cair no estado neste sábado (29).

A Defesa Civil vai interditar áreas que antes não apresentavam perigo, mas que, com mais chuva, agora têm chance de desmoronar. “Várias áreas de deslizamento estão como verdadeiras feridas, que provocam infiltração com mais facilidade e pode fazer com que o terreno desça com mais rapidez”, explicou. G1.

60% das áreas vistoriadas em Blumenau (SC) não poderão mais ser ocupadas



Avaliação é dos institutos Geológico e de Pesquisas Tecnológicas de SP.

Técnicos do Instituto Geológico e do Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo estiveram em Blumenau, uma das cidades mais atingidas pelas chuvas em Santa Catarina, para analisar o terreno. Eles dizem que 60% das áreas vistoriadas não poderão mais ser mais ocupadas.

A equipe vistoria outros municípios atingidos para entender o que aconteceu em Santa Catarina e evitar novas tragédias. Neste sábado (29), eles estiveram no Morro do baú, um dos pontos mais críticos, em Ilhota.

Os deslizamentos de terra provocaram mais danos em comparação com as enchentes de 1983 e 1984. Não bastasse o solo frágil, a quantidade de chuva sobre as áreas atingidas foi a maior de todos os tempos.

A meteorologista Gislânia Cruz diz que o volume de chuva na região de Blumenau foi de mais de 900 milímetros em novembro - a média esperada é de 110 milímetros.

Portal G1.

Solo de Santa Catarina está desmanchando, diz pesquisador


Parte do solo do estado de Santa Catarina está desmanchando. A afirmação é do professor do Departamento de Análise Geoambiental da Universidade Federal Fluminense, Júlio César Wasserman.

Em entrevista na quinta-feira (27) à Rádio Nacional, o especialista esclareceu que o desabamento de terra ocorrido nas encostas de cidades do estado devido às fortes chuvas é um processo chamado solifluxão. Segundo ele, na maior parte das vezes o fenômeno acontece devido ao desmatamento das encostas. “Quando se tem ocupação de favelas ou residências com pouca estrutura nessa áreas, esse processo vai ocorrer”, disse.

Ele explicou que a espessura do solo das encostas é relativamente reduzida e que quando há chuvas, as águas penetram até a rocha sã (tipo de rocha que não virou solo). Por esse motivo, a terra ultrapassa sua capacidade de absolver essa água. Fato acontecido em Santa Catarina. “A formação é como se fosse uma manteiga derretendo em um bloco de gelo”, exemplificou.

Para o professor, o papel da Defesa Civil no momento, de identificar as áreas de risco nos estado, deveria ter sido realizado antes. Como exemplo de prevenção, Wasserman citou os trabalhos de conscientização da população feitos nas cidades de Petrópolis e Teresópolis, no Rio de Janeiro.

“Quando atinge uma determinada quantidade de chuva, eles mesmos tomam a iniciativa de abandonar a casa e se instalarem em outros locais”, contou.

O pesquisador também destacou que, além de perder as casas, muitas famílias deverão perder os terrenos onde as moradias estavam construídas, já que as áreas desapareceram no meio da enxurrada. De acordo com ele, nos locais em que o solo se acomodar, será possível fazer uma análise geotécnica.

Nesses casos, as famílias serão orientadas sobre como reconstruir suas casas. Para ele, no entanto, o quadro visto na catástrofe é de barrancos desmoronados e nessa situação a recuperação do terreno será praticamente impossível. “O custo para se construir uma casa pendurada em um barranco é muito alto. Essas pessoas infelizmente vão perder o terreno”, afirmou.

Na opinião de Wasserman , a responsabilidade pelos prejuízos é do estado. “Acho que existe uma grande responsabilidade do estado em ter legalizado esse terreno. Mesmo nas situações de invasão. Acho uma irresponsabilidade o fato do estado ter controlado essa ocupação nessas áreas de risco”, criticou.

Abientebrasil.

sábado, 29 de novembro de 2008

Os aparelhos que sugam energia


Cerca de 25% da energia elétrica que consumimos é desperdiçada em aparelhos aparentemente desligados. Saiba como funcionam as luzinhas de stand by, os carregadores de celular e outros "vampirinhos" da vida moderna.

Saiba mais!

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Jovens engaioladas protestam contra a extração de peles em SP


Manifestante diz que intenção era mostrar como os animais se sentem. Segundo organizadores, atos acontecem em 40 países nesta sexta(28/11).

Três mulheres ficaram engaioladas na manhã desta sexta-feira (28), no canteiro central da Avenida Paulista, como parte de um protesto conta a indústria da extração de peles dos animais. Cerca de 50 pessoas se reuniram no local, em uma manifestação que, segundo os organizadores, faz parte das cerca de 100 ações mundiais realizadas em 40 países nesta sexta.

Os manifestantes se reuniram entre a Alameda Joaquim Eugênio de Lima e a Rua Pamplona, distribuindo panfletos e empunhando faixas. Com um megafone e apitos, eles tentavam chamar a atenção dos pedestres e motoristas. Para a estudante e vendedora Renata Almeirda, de 19 anos, uma das engaioladas, o ato traz a oportunidade de se sentir como os animais.

"Vou sentir um pouco na pele o que os animais sentem, o mínimo do mínimo. É só o começo de tudo que eles sofrem", disse ela, vestindo uma malha cor de pele e coberta de tinta vermelha para simbolizar o sangue.

Dentro da gaiola, a advogada Juliana Galisteu, de 29 anos, afirmou que a ação ajuda os próprios ativistas a sentir a causa que abraçam. "Estou me sentindo o próprio animal, é um desespero terrível. Só fazendo algo assim para sentir na pele a causa que a gente abraça".

As manifestações em todo o mundo nesta sexta – o chamado "Sexta-feira Dia Mundial Sem Pele" - são coordenadas pela Coalizão Internacional Anti-Pele. No Brasil, Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, e Recife, em Pernambuco, também devem ter ações.

Fonte: G1.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Transgênicos? Não, obrigado!



Autora de livro sobre Monsanto diz que sua obra 'dá muito medo'

Jornalista francesa acusa a empresa de práticas mafiosas. Autora afirma que adubos e pesticidas são tóxicos.

A jornalista francesa Marie-Monique Robin, que acaba de publicar na Espanha um ensaio sobre a multinacional de sementes transgênicas Monsanto, à qual acusa de práticas "mafiosas", diz que não sabe se seu livro "é de terror, mas dá muito medo, pois, infelizmente, tudo o que está lá é verdade".

"Le Monde Selon Monsanto" -- "O Mundo Segundo a Monsanto", em português -- é o irônico título escolhido para um livro no qual ela denuncia, com documentos inéditos e testemunhos de muitas "vítimas", a "impunidade diabólica" da multinacional americana que comercializa "produtos tóxicos", afirma a autora em entrevista à Agência Efe.

As acusações de Robin à Monsanto são vender sementes geneticamente modificadas que não demonstraram sua "inocuidade tóxica" e que devem ser tratadas com adubos e pesticidas da mesma empresa, "igualmente tóxicos", em um ciclo monopolístico.

Segundo a especialista, o ciclo não acaba somente com a biodiversidade do local onde é implantado, mas também não garante melhores colheitas e empobrece os terrenos.

A jornalista se reuniu durante três anos com políticos, camponeses e cientistas, alguns dos quais "sofreram na própria pele o 'efeito Monsanto'".

Muitos deles sofreram represálias e foram despedidos devido às investigações sobre o risco dos produtos geneticamente modificados e outros adquiriram algum tipo de câncer pelo contato com eles.

A companhia, lembra Robin, comercializa 90% dos cultivos transgênicos do mundo, com 8,6 bilhões de euros -- aproximadamente 26 bilhões de reais -- de faturamento em 2007.

É a maior vendedora de sementes na América Latina, Ásia, Estados Unidos e Canadá, e entre seus "feitos" químicos está a fabricação do "agente laranja", um devastador pesticida utilizado pelos Estados Unidos na Guerra do Vietnã.

Robin afirma que a multinacional tem dezenas de processos penais contra ela no mundo todo, devido a problemas de saúde gerados por seus produtos, mas também por causa de práticas de monopólio.

Segundo a jornalista, a multinacional se comporta como uma estrutura saída da mente de George Orwell -- autor do livro "1984", que retrata um regime autoritário de uma sociedade de vigilância --, já que tem uma "meta totalitária e monopolística" e utiliza métodos muito semelhantes aos da máfia.

O livro faz um percurso pelas relações entre os políticos encarregados de redigir a regulamentação sobre transgênicos e as empresas do setor, com casos de membros da administração pública nos EUA que, após promover leis permissivas a esses produtos, para reduzir os testes toxicológicos, passaram para o outro lado, um inclusive como "vice-presidente" da multinacional.

Fonte: Portal G1 (Globo)

Transgênicos? Não, obrigado!

Boicote!!!


Confira a lista de empresas e produtos transgênicos e livres de transgênicos!

Desmatamento da Amazônia pode aumentar chuva no sul do Brasil


O desmatamento da Amazônia tem influência importante em toda a América Latina e a relação desse fato com a catástrofe climática que aconteceu em Santa Catarina deve ser considerada, embora não possa ser culpada isoladamente. Essa é a opinião do geógrafo e professor da USP Wanderley M. da Costa, especialista no assunto e ganhador do prêmio Jabuti 2008 com o livro Dimensões Humanas da Biosfera-Atmosfera da Amazônia.

"Alguns fatos já são comprovados cientificamente. Por exemplo, uma grande parte da camada de água da Amazônia está sobre forma gasosa e evaporando no sentido leste para oeste. É claro que esse fato afeta todo o clima do continente. Não podemos responsabilizar, no entanto, esse fato apenas pelo que ocorreu em Santa Catarina, pois o excesso de chuva na região Sul pode ser resultado da combinação desse fator com a alteração de temperatura dos oceanos", explica.

O professor destaca que a Amazônia tem 5 milhões de km² de florestas tropicais úmidas contínuas, a maior bacia hidrográfica do mundo (20% da água doce), além da mais formidável megabiodiversidade conhecida. Costa comentou o assunto na palestra que deu nesta terça-feira, 25, sobre a Revista Nossa América, do Memorial da América Latina, na livraria Cultura. (Fonte: Estadão Online)

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Um terço das águas do Rio Amarelo, na China, está poluído


Uma pesquisa feita pelo Comitê de Conservação do Rio Amarelo, o segundo maior da China, revelou que um terço de suas águas está impróprio para o consumo, não pode ser utilizado na agricultura nem mesmo na indústria.

Conhecido como o "rio mãe" da China, ele abastece milhões de pessoas ao norte do país. Nos últimos anos, no entanto, a qualidade da água piorou devido a resíduos industriais e esgoto lançados por cidades que tiveram crescimento rápido e desordenado ao longo das últimas décadas.

A pesquisa, baseada em dados colhidos no ano passado, abrangeu mais de 13 mil quilômetros do rio e dos seus afluentes. O comitê revelou que 33,8% deste sistema estão poluídos e a água de apenas 16% deles é segura para uso doméstico. Em 2007, foram despejadas 4,29 bilhões de toneladas de resíduos e esgoto nesse sistema. OM

Uma hora a máscara cai!


Por não cumprir com resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente, referente ao alto nível de enxofre no diesel, a Petrobras foi excluída da lista da Bovespa de companhias que apresentam alto grau de comprometimento com sustentabilidade e responsabilidade social. Entenda aqui o porquê de sua máscara verde ter caído.

Tragédia catarinense é efeito do desmatamento amazônico

O jornal argentino Clarín noticia as enchentes em Santa Catarina e afirma, com base em especialistas do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), que o desmatamento na Amazônia pode estar por trás da tragédia. Paulo Artaxa, um dos pesquisadores citados na reportagem, explica: “No céu da Amazônia há um sistema eficaz de aproveitamento do vapor d’água (...), mas a fumaça dos incêndios florestais altera drasticamente este mecanismo: diminui a formação de nuvens e chuvas em algumas regiões e aumenta as tempestades em outras”. É uma hipótese que ainda precisa ser mais bem analisada. De qualquer forma, não deixa de haver o dedo da interferência fora de controle no ambiente. Como diz o Clarín: “Não são castigos divinos, mas bem humanos”.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Santa Catarina precisa da sua ajuda!


Veja como você pode contribuir:

Veja onde entregar donativos para as vítimas na Capital.

Clique aqui para ajudar!

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Programa "De Olho no Óleo" credencia empresas com selo e autorização ambiental


Dois novos instrumentos vão certificar empresas e condomínios de São José(SC) que realizam a destinação correta dos óleos vegetal e mineral descartados. A Prefeitura de São José, por meio da Fundação Municipal do Meio Ambiente, lança amanhã (23/10), às 10h30, no Restaurante Meu Cantinho, no Kobrasol, na Rua José Gonzaga R. de Lima, 400, o selo e a autorização ambiental do Programa "De Olho no Óleo".
O reconhecimento incentiva os estabelecimentos a adotarem esse conceito totalmente sustentável de destinação adequada dos óleos residuais, provenientes, por exemplo, das frituras na cozinha e da troca de óleo de motor nas oficinas automotivas e postos de combustíveis.

1º passo
Nesta primeira etapa, a Fundação Municipal do Meio Ambiente vai credenciar 85 empresas que estão com toda a documentação e taxas regularizadas, mas a meta a curto prazo é a de fornecer o selo do Programa para 262 empresas cadastradas e a autorização ambiental para 172, haja vista que os estabelecimentos que trabalham com óleo mineral já possuem essa autorização.
Histórico
Lançado em março de 2007, o Programa "De Olho No Óleo" coleta por mês aproximadamente 80 mil litros de óleo mineral e 16,5 mil litros óleo vegetal.
Para colocar o Programa em prática, a Fundação firmou parceria com oito empresas para realizarem o recolhimento. E o melhor: sem custos tanto para os cofres públicos quanto para as empresas. "Oficinas e postos de combustíveis podem até aproveitar para vender o óleo mineral descartado, já que as empresas credenciadas pagam pelo produto e o reaproveitam, sem prejuízos ao meio ambiente", destaca o Superintendente da Fundação Municipal do Meio Ambiente, engenheiro Sílvio César dos Santos Rosa.

Danos
Os riscos ambientais provocados pelo destino inadequado do produto são graves, a exemplo da contaminação das águas, ecossistema aquático e solo. "Estudos mostram que cada litro de óleo vegetal jogado fora implica contaminação de um milhão de litros de água", explica o Superintendente.

Reaproveitamento
O óleo vegetal recolhido pode ser aproveitado para a fabricação de sabão, produção de biocombustível, tintas e massa para calefação, enquanto que o mineral pode ser recondicionado e reutilizado nos motores dos veículos.
Lançado em março de 2007, o Programa "De Olho No Óleo" coleta por mês aproximadamente 80 mil litros de óleo mineral e 16,5 mil litros óleo vegetal.

Programa
O Programa abrange o recolhimento nos bares, lanchonetes, restaurantes, condomínios, escolas, oficinas automotivas e postos de combustíveis, mas tem a intenção de conscientizar toda a população. As pessoas podem participar armazenando o óleo em uma garrafa e entregando-a nos locais cadastrados, basta ligar para a Fundação no telefone: (48) 3381 0040 para saber o ponto de coleta mais próximo da residência.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Ar da Terra é dividido por "equador químico"


Uma "barreira" climática mundial capaz de impedir que a poluição do ar viaje para o sul foi descoberta, de acordo com um novo estudo. Conhecida como "equador químico", a fronteira de 50 quilômetros de largura separa o ar poluído do Hemisfério Norte do ar menos poluído do Hemisfério Sul.

O monóxido de carbono, um gás tóxico gerado por incêndios em florestas e motores de combustão interna, cresce de 40 partes por bilhão ao sul da barreira para 160 partes por bilhão ao norte dela, os cientistas constataram. As partículas de aerossol, produzidas pela queima de combustíveis fósseis, também aumentam dramaticamente.

A constatação foi reportada em estudo publicado pelo Journal of Geophysical Research - Atmospheres.

Descoberta acidental
O equador químico era uma suposição científica já antiga. Mas os cientistas esperavam localizá-lo na Zona de Convergência Intertropical, uma faixa marcada por tempestades e nuvens que circulam o globo perto da linha real do Equador terrestre. Mas ela na verdade foi localizada em céus claros mil quilômetros ao norte da zona, demonstrando que a divisão química e meteorológica entre os hemisférios difere.

"Seria de esperar certa dose de isolamento químico, mas não a esse ponto, e mais próxima da zona", disse Peter May, cientista atmosférico do Centro Australiano de Pesquisa do Clima e Meteorologia, em Melbourne, Austrália. Ele auxiliou a pesquisa pelo lado logístico mas não esteve envolvido no estudo em si.

O grupo de climatologistas que localizou o equador químico não tinha esse objetivo em mente ao iniciar o trabalho. Na verdade, a equipe estava estudando de que maneira tempestades transportavam produtos químicos de Darwin, na costa norte da Austrália, quando o céu de repente ficou límpido, e um vento forte começou a soprar.

"Não era o clima certo para o nosso estudo, de modo que decidimos realizar um vôo de pesquisa rumo ao norte para descobrir o que estava acontecendo", explicou Jacqueline Hamilton, da Universidade de York, na Inglaterra, a diretora científica do estudo. "Foi então que descobrimos o equador químico", ela conta.

Enquanto o avião dos cientistas, equipado com detectores químicos, viajava rumo ao norte, seus sensores detectavam uma tremenda diferença em níveis de poluentes.

Não impermeável
Mas nem todos os produtos nocivos são bloqueados, no entanto. "Os produtos químicos conseguem atravessar a barreira, por fim, caso se mantenham intactos no ar por mais que cerca de um ano", acautelou Hamilton. Embora o monóxido de carbono e diversos aerossóis sejam mantidos do outro lado da barreira, os químicos que persistem por mais tempo na atmosfera, como o dióxido de carbono, um dos gases causadores do efeito-estufa, conseguem atravessar.

"Essa constatação significa que, quando o equador químico foi observado, a poluição não estava chegando à camada mais alta da atmosfera, onde poderia alterar a química das nuvens e da camada de ozônio", disse May.

O fenômeno poderia facilitar o mapeamento de poluentes, para os pesquisadores, mas continuam a existir muitas outras incógnitas. "Estamos ainda bem no começo do estudo. Ainda temos de saber muito mais sobre como o clima e a química atmosférica interagem, antes que possamos avaliar as implicações reais dessa descoberta", ela disse.

Tradução: Paulo Migliacci

National Geographic

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Metade dos carros pode ser elétricos em 20 anos


Um grupo de CEOs do setor automobilístico defendeu que 10% de todos os carros produzidos no mundo sejam elétricos até 2020, e 50% até 2030. A intenção é ajudar a reduzir as emissões de gases de efeito estufa na atmosfera.

A intenção foi expressada no Conselho de CEO, promovido em Washington pelo Wall Street Journal. O brasileiro Carlos Ghosn, executivo-chefe da Renault-Nissan, disse que as fabricantes têm capacidade para começar a produzir em massa este tipo de carro por volta de 2010.

Ghosn ressaltou que a disseminação dos carros elétricos não é a única solução para os problemas energéticos e ambientais. As empresas do setor, continua Ghosn, precisam continuar a buscar melhorias nos motores a gasolina, e é necessário tomar outras medidas para aumentar a eficácia dos veículos. G1

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Quando o circo perde a graça


Motivado por denúncias de maus tratos, ambientalistas querem aprovar um projeto de lei que proíba o uso de animais em espetáculos. A questão é tão polêmica que alguns circos que aderiram por contra própria à restrição sofrem ameaças de outros membros da classe.

Leia a matéria da Época, aqui!

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Suco ou refrigerante?


O que acontece quando você toma uma latinha de refrigerante?

Primeiros 10 minutos
10 colheres de chá de açúcar batem no seu corpo, 100% do recomendado diariamente. Você não vomita imediatamente pelo doce extremo, porque o ácido fosfórico corta o gosto.

20 minutos
O nível de açúcar em seu sangue estoura, forçando um jorro de insulina. O fígado responde transformando todo o açúcar que recebe em gordura(É muito para este momento em particular).

40 minutos

A absorção de cafeína está completa. Suas pupilas dilatam, a pressão sanguínea sobe, o fígado responde bombeando mais açúcar na corrente. Os receptores de adenosina no cérebro são bloqueados para evitar tonteiras.

45 minutos
O corpo aumenta a produção de dopamina, estimulando os centros de prazer do corpo. (Fisicamente, funciona como com a heroína).

50 minutos
O ácido fosfórico empurra cálcio, magnésio e zinco para o intestino grosso, aumentando o metabolismo. As altas doses de açúcar e outros adoçantes aumentam a excreção de cálcio na urina.

60 minutos

As propriedades diuréticas da cafeína entram em ação. Você urina. Agora é garantido que porá para fora cálcio, magnésio e zinco, os quais seus ossos precisariam. Conforme a onda abaixa você sofrerá um choque de açúcar. Ficará irritadiço. Você já terá posto para fora tudo que estava no refrigerante, mas não sem antes ter posto para fora, junto, coisas das quais farão falta ao seu organismo.

Pense nisso antes de beber refrigerantes. Se não puder evitá-los, modere sua ingestão! Prefira sucos naturais. Seu corpo agradece!

Fonte: Personal Health

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Incêndio na Chapada Diamantina pode acabar com espécies raras de plantas


Vinte municípios baianos decretaram estado de emergência.
Estiagem de sete meses agravou situação das queimadas.


Na Bahia, a falta de chuva e, muito provavelmente, a ação do homem provocaram o pior desastre ecológico dos últimos 20 anos na Chapada Diamantina. São 20 municípios em estado de emergência.

A Chapada Diamantina arde sobre uma densa cortina de fumaça. São dezenas de queimadas, muitas em lugares inacessíveis. Os primeiros focos de incêndio surgiram em agosto e, segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), foram provocados por garimpeiros ou caçadores.

A estiagem de sete meses agravou a situação. Cerca de 300 bombeiros e voluntários trabalham no combate ao fogo. G1

Tartaruga perde nadadeira após ataque de cães


Animal foi tratado em hospital veterinário da Flórida.
Ataque provocou infecção em nadadeira, que teve de ser amputada.


Após ser atacada por cães em uma praia das Ilhas Virgens, tartaruga é tratada em hospital veterinário da Flórida, nos EUA. A nadadeira frontal direita do animal teve de ser amputada por causa de uma infecção causada pelo ataque, segundo os veterinários. G1

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Ministério do Meio Ambiente lança relação de animais com risco de extinção



O Ministério do Meio Ambiente lançou um livro com a relação dos animais brasileiros que mais sofrem risco de extinção. A maioria vive na Mata Atlântica. São 627 espécies de animais ameaçados. G1

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Betinho e o beija-flor



"Seja a mudança que você quer no mundo"
(Gandhi)

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Florianópolis recebe o físico Fritjof Capra em evento sobre meio ambiente


Eco Power Conference ocorre entre os dias 19 e 21 de novembro

Pelo segundo ano consecutivo, a Capital catarinense estará no centro de um debate internacional sobre meio ambiente. Entre os dias 19 e 21 de novembro, Florianópolis sediará o Eco Power Conference — Fórum internacional de energia renovável e sustentabilidade. As inscrições com desconto seguem até sexta-feira. Depois, apenas no próprio evento.

No ano passado, na primeira edição, o Eco Power contou com 820 participantes de 13 países e de 15 estados brasileiros. Para este ano, a expectativa é novamente chegar perto das 900 vagas disponíveis, capacidade máxima para o espaço no Costão do Santinho Resort.

A diretora técnica do evento, Maria Augusta Orofino, diz que 50% das vagas já foram preenchidas, com representantes de 8 países e de 14 estados brasileiros. Ela explica que o público alvo são pesquisadores e dirigentes de empresas.

O número de painelistas diminuiu, passando de 124 no ano passado para 75 nesta edição. Maria diz que a mudança foi proposta pelos próprios participantes do Eco Power 2007, como uma alternativa para aumentar o tempo destinado aos debates.

Entre os participantes confirmados para este ano, destaca-se a presença de Patrick Moore, um dos fundadores e ex-presidente do Greenpeace. Hoje, Moore é presidente e cientista da empresa de consultoria ambiental Greenspirit.

O evento terá também a presença do austríaco Fritjof Capra, físico, cientista, ambientalista e professor do Schumacher College, um centro de estudos ecológicos na Inglaterra. O convidado abordará o tema "Uma ciência para viver de maneira sustentável". No final do encontro, uma carta de recomendações assinada pelos participantes será divulgada para a sociedade.

DIÁRIO CATARINENSE

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Estudo apresenta propostas para preservar aqüíferos Guarani e Serra Geral


Poluição vem ameaçando o conjunto, que tem um dos maiores reservatórios de água do planeta

A Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina (Fapesc) apresentou na última sexta-feira o resultado da segunda etapa do projeto Rede Guarani-Serra Geral ao secretário nacional de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente, Vicente Andreu. Os responsáveis pela pesquisa sugerem propostas para a preservação dos manancias de águas dos aqüíferos Guarani e Serra Geral.

A pesquisa contém a análise da qualidade da água e identificação dos terrenos contaminados. O estudo traz propostas de educação ambiental, intervenção na agricultura e sugestões a serem adotadas pelos agricultores para evitar a contaminação do solo.

Desde de 2005, lembra o pesquisador da Fapesc Valdeci Israel, estudiosos buscam, por intermédio do projeto, soluções para reduzir o comprometimento das águas subterrâneas na região. Cerca de R$ 6 milhões foram investidos na aquisição de equipamentos e modernização das universidades que desenvolvem a pesquisa.

Segundo Valdeci Israel, dentro de seis meses o projeto pretende estender as pesquisas a outras áreas de Santa Catarina, como a região oeste, a mais contaminada do Estado.

– Nosso objetivo é gerar conhecimentos técnicos e científicos para a proteção e uso sustentável das águas subterrâneas no Estado.

Os estudos sobre os aqüíferos Guarani e Serra Geral, no Planalto Serrano de Santa Catarina, têm como objetivo produzir, coletar e sistematizar informações sobre o aqüífero e disseminar na sociedade e nas comunidades locais a caracterização do ambiente e avaliações dos possíveis impactos ambientais.

A rede aqüífera Guarani-Serra Geral tem um dos maiores reservatórios de água do planeta, mas vem sendo constantemente ameaçada pela poluição dos recursos hídricos e pela infiltração de dejetos de suínos, aves e produtos químicos usados na agricultura. Instituições de ensino e pesquisa e órgãos dos governo federal e estadual buscam soluções para reduzir o comprometimento das águas subterrâneas na região.

AGÊNCIA BRASIL.

Manifestantes tentam barrar entrada de lixo nuclear em depósito na Alemanha


Ecologistas foram retirados pela polícia na central de Gorleben.
Eles tentaram impedir que detritos vindos da França entrassem no depósito.


Manifestante é retirada pela polícia quando tentava impedir a entrada de recipientes com lixo atômico na central de armazenamento de Gorleben, a 20 km de Dannenberg. (Foto: AFP) G1.

domingo, 9 de novembro de 2008

Milhares de pessoas protestam contra lixo nuclear na Alemanha


Ativistas se acorrentaram aos trilhos para impedir que trem com dejetos chegasse à cidade de Goerleben.

Cerca de 300 fazendeiros usaram tratores para bloquear as principais vias de acesso ao depósito na cidade de Goerleben, onde havia outras 14.500 pessoas protestando.

O combustível atômico usado da Alemanha é enviado anualmente para a França e Reino Unido para reprocessamento, e depois é reenviado para armazenamento em Goerleben - cidade que é um foco tradicional de protestos antinucleares.

Contudo, a freqüência dos protestos diminuiu desde 2003, quando o governo lançou um cronograma de 20 anos para o fechamento de 17 usinas nucleares alemãs. Os ativistas reclamam que o cronograma é muito lento, e que o depósito em Goerleben não é seguro.

O último carregamento de lixo reprocessado estava sendo levado em um trem com 11 containers, que atravessou o nordeste da França sem incidentes na última sexta, 7, e chegou na fronteira alemã na manhã de sábado. O plano era chegar na cidade de Dannenberg no domingo, onde a carga seria transferida para caminhões para a última jornada até Goerleben. O Estadão.