segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

A ecologia no Budismo


Esta é a prática de enxergar profundamente, de tocar a realidade, e de viver totalmente consciente. Você enxerga e toca todas as coisas como uma experiência e não como uma noção. A noção do homem ser mais importante que outras espécies é uma noção errada. Buda nos ensinou a ser cuidadosos com o nosso meio-ambiente. Ele sabia que, cuidando das árvores, estamos cuidando dos homens. Precisamos viver nosso dia-a-dia com esse tipo de consciência. Isto não é filosofia. Precisamos desesperadamente de total consciência para que nossos filhos e netos estejam a salvo. A idéia de que o homem pode fazer qualquer coisa que queira às custas dos elementos não-homem é uma noção ignorante.

Respire com profunda consciência de que você é um ser humano. Então expire e toque a Terra, um elemento não-homem, como se ela fosse a sua mãe. Visualize as correntes de água sob a superfície da Terra. Veja os minerais. Veja nossa Mãe Terra, a mãe de todos nós. Então levante seus braços e inspire novamente, tocando as árvores, flores, frutas, pássaros, esquilos, ar e céu – os elementos não-homem. Quando sua cabeça está tocando o ar, o sol, a lua, as galáxias, o cosmo – elementos não-homem que vêm juntos para tornar possível o homem – você vê que todos os elementos estão vindo para você a fim de tornar possível o seu ser.

Thich Nhat Hahn, Cultivando a Mente de Amor, tradução de Odete Lara, Editora Palas Athena, São Paulo, 2000

Postado em Para Ser Zen

2 comentários:

Carmem L Vilanova disse...

Há mais, muito mais, para o Natal doque luz de vela e alegria;
É o espírito de doce amizade que brilha todo o ano.
É consideração e bondade, é a esperança renascida novamente, para paz, para entendimento, e para benevolência dos homens.
É o nascimento de Jesus!
Muitas flores, muitos sorrisos e muita paz no coração!
Beijos... sempre!

Carol Daemon disse...

Me lembrou 2 coisas: o inconsciente coletivo e a teoria de gaia.
Muito bom.